Metrópolis ‹ Vagner Aniceto

Metrópolis

Foi em 1997 que Vagner Aniceto iniciou o rompimento com o estilo impressionista, mergulhando no contemporâneo. E desde então, vem pintando silhuetas de cidades grandes, ora imaginárias, ora sutís decalques de skylines por onde passou. Nova York, Londres, São Paulo, Rio, Atlanta, Madrid… Nesta fase atual, o artista respira através dos pincéis. Faz um desabafo por viver numa cidade opressora como São Paulo e, com suas pinceladas rápidas e o uso contínuo da espátula, abre espaço para a luz entre o concreto. De composição simétrica e cores vibrantes, a variação cromática dos quadros obedece a um rigor único: uma mesma tonalidade reina em suas mais possíveis variações. Os amontoados de edifícios, torres e arranha-céus das grandes telas traduzem-se quase monocromáticos. Elegantes. A relação entre luz, espaço e cor pode ser notada em cada uma das obras desta série intitulada METRÓPOLIS, onde o artista não apenas insinua agulheiros arquitetônicos pulsando a luz do dia ou da noite, mas também nos faz um convite a desbravar essas metrópoles verticais.
Texto de Isabella Blanco – Jornalista.
Esta série foi apresentada em duas exposições, uma em 2002 na galeria Judith Daprá, do numero 01 a 23 e outra em 2003, do numero 27 a 43 inaugurando o Espaço Magnólia, ambas em São Paulo.